Prevalência de motivos e percepção de efeitos adversos relatados após a automedicação de aines e analgésicos em estudantes de publicidade e propaganda e jornalismo do centro universitário estácio de ribeirão preto
Acesso Restrito PDF

Palavras-chave

Automedicação
AINES
Estudantes
Sintomas
Efeitos Adversos

Como Citar

Laurito Drighetti, M. (2023). Prevalência de motivos e percepção de efeitos adversos relatados após a automedicação de aines e analgésicos em estudantes de publicidade e propaganda e jornalismo do centro universitário estácio de ribeirão preto. Lifestyle Journal, 10(00), e1573. https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v10.n00.pe1573

Resumo

Introdução: os antiinflamatórios não-esteroidais (AINEs) e analgésicos são medicamentos utilizados para a melhora da dor e da inflamação, com uso prevalente por estudantes universitários.

Objetivo: análise do uso indiscriminado e efeitos colaterais desenvolvidos pelo uso de medicamentos das classes dos fármacos AINEs.

Metodologia: o presente artigo trata-se de um estudo quantitativo transversal, realizado por meio de um questionário autoaplicado entre os estudantes dos cursos de Publicidade e Propaganda e Jornalismo do Centro Universitário Estácio de Ribeirão Preto, com avaliação descritiva dos fatos.

Resultados: a partir do levantamento dos dados, foi notado que todos os estudantes dos cursos supracitados já se automedicaram com AINEs. Também foi constatado que a principal influência para o uso do medicamento escolhido foi indicação de pessoas próximas. Foram ainda identificados a sonolência como principal efeito adverso, dor como maior motivo para o uso e a dipirona como o medicamento mais frequentemente usado.

Conclusão: os resultados em sua maior parte condisseram com as expectativas dos autores com base em consultas bibliográficas.

https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v10.n00.pe1573
Acesso Restrito PDF

Referências

ARRAIS P.S.D., COELHO H.L.L., BATISTA M.C.D.S., CARVALHO M.S., RIGHI R.E., ARNAU J.M. Perfil da automedicação no Brasil. Rev. Saúde Pública 1997; São Paulo , v. 31, n. 1, p. 71-77.

BATISTA A.M., CARVALHO M.C.R.D. Avaliação da propaganda de medicamentos veiculada em emissoras de rádio. Ciência & Saúde Coletiva 2013; v. 18, p. 553-561.

CABRITA J., FERREIRA H., IGLÉSIAS P., BAPTISTA T., ROCHA E., SILVA A.L., MIGUEL J.P. Estudo do padrão de consumo de medicamentos pelos estudantes da Universidade de Lisboa. Revista Portuguesa de Saúde Pública 2001; p. 39-47.

CHAHADE W.H., GIORDI R.D.N., SJAZUBOK J.C.M. Antiinflamatórios não hormonais. Einstein 2008; v. 6, n. Supl 1, p. S166-S74.

MONTEIRO E.C.A., TRINDADE J.M.F., DUARTE A.L.B.P., CHAHADE W.H. Os antiinflamatórios não esteroidais (AINEs). Temas de reumatologia clínica 2008; v. 9, n. 2, p. 53-63.

PAULO L.G., ZANINE A.C. Automedicação no Brasil. Rev. Ass. Med. Bras. 1988; 34: 69-75.

SOLOMON D.H. NSAIDs: Mechanism of action. UpToDate 2007.

SILVA R.C.G., OLIVEIRA T.M., CASIMIRO T.S., VIEIRA K.A.M., TARDIVO M.T., JÚNIOR M.F., RESTINI C.B.A. Automedicação em acadêmicos do curso de medicina. Medicina (Ribeirão Preto). 2012;45(1):5-11.

SOUZA L.A.F., SILVA C.D., FERRAZ C.D., SOUSA F.A.E.F., PEREIRA L.V. Prevalência e caracterização da prática de automedicação para alívio da dor entre estudantes universitários de enfermagem. Revista Latino-americana de enfermagem 2011; v. 19, n. 2, p. Tela 1-Tela 7.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Mateus Laurito Drighetti

Downloads

Não há dados estatísticos.