Influência do status educacional no estilo de vida
Acesso Restrito PDF

Palavras-chave

Estilo de vida
Educação
Nível socioeconômico

Como Citar

de Castro , A. A. M., Lopes, L. R., Zukowisk Tavarez , C., Ferracioli Pôrto , A. M. J. F., Rezende, D. C., & da Silva , L. T. (2023). Influência do status educacional no estilo de vida. Lifestyle Journal, 10(00), e1583. https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v10.n00.pe1583

Resumo

Introdução: O estilo de vida (EV) tem sido objeto de estudo em todo mudo para avaliar o estudo de saúde e presença de doenças crônicas.  

Objetivo: avaliar o estilo de vida em indivíduos com diferentes status sócio-educacional.

Métodos: este é um estudo transversal no qual foi avaliada a influência do estatus educacional sobre o estilo de vida, os dados foram coletados através do questionário de NAHAS fatores relacionados ao estilo de vida. As características sociodemográficas, socioeconômico e cultural para enquadramento no status educacional foram coletadas por meio do INET. Foram sorteados endereços nas ruas e avenidas do distrito de Capão Redondo e para todos os CEP havia um numero de participantes.

Resultado: Indivíduos com menor grau de instrução têm pior EV. EV melhora entre os indivíduos mais idosos. Os aspectos mais acometidos no EV foram inatividade física e alimentação inadequado, O risco esteve aumentado para os indivíduos analfabetos afirmarem que sua saúde é pior do que indivíduos de sua mesma idade em relação àqueles com ensino superior. O grau de escolaridade da mãe influenciou diretamente para a escolaridade do filho. Foi encontrado correlação positiva entre o número de anos estudados e salários.

Conclusão: indivíduos com maior nível educacional tem melhor estilo de vida do que indivíduos com menor status educacional. Os indivíduos com pior estilo de vida têm a percepção de que sua saúde é pior do que indivíduos de sua mesma idade.

https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v10.n00.pe1583
Acesso Restrito PDF

Referências

BRASIL. Constituição (1998). Constituição da Republica Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal , 1988.

EXAME. O que motiva as pessoas na mudança no estilo de vida? (29/01/2013) http://exame.abril.com.br.

Freire, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1994. p.34.

Freud, Sigmund. Obras completas. São Paulo. Atheneu: 1914.

IBGE. Síntese de Indicadores Sociais (SIS) 2014. Disponivel em: www.ibge.gov.br.

Ishitani L.H.; Franco G.C.;Perpétuo I.H.O.; França E. Desigualdade social e mortalidade precoce por doenças cardiovasculares no Brasil. Revista Saúde pública, 40(4):19.684-91, 2006.

Lopes, R.G. De que sofrem os filhos de pais separados? Ver. aSEPHallu, Rio de Janeiro, vol. VII, n.13, nov..2011 a abr.2012.

Maluf, M.M.B. Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica no Brasil: análise e proposições II, Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, n.14,(1996),p.5-38.

Nahas M.V.Atividade Física, Saúde e Qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 4ª ed. Revr. E atual. Londrina: Midiograf, 2006.284 p.

Piko. B. et al. – Frequncy of common pychosomatic symptoms and its influence on self-perceived health in a Hungarian student population. European Journal of Public Health. Oxford: Oxford University Press. 7:3 (1997) 242-247.

Pinheiro, R.S. et al. – Gênero, morbidade, acesso e utilizaçãode serviços de saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 7:4(2002) 687-707.

Redland A.R.; Stuifbergen A.K. Strategies for maintenance of health- promoting behaviors. Nurs Clin North Am. 1993Jun:28(2):427-42.

Reis M.C, Ramos L. Escolaridade dos pais, desempenho no mercado de trabalho e desigualdade de rendimentos.Rev. Bras. Econ. Vol.65no.2 Rio de Janeiro Apr./June 2011.

Rohlfs, I. et al. – La importancia de la perspectiva de género en las encuestas de salud. Gaceta Saintária. S.L. 14:2(2000)146-155.

Romanelli O.O, História da Educação no Brasil. 17 ed. Petrópolis: Vozes 1995.

Simon, J.G. et al. – Perceived health: how is yor health in general?: a qualitative study on self-assessed health. European Journal of Public Healt. Oxford: Oxford University Press. 15:2(2005) 200-208.

UNESCO: Educatios for All Global Monitiring Report.

Villamarin, AJG. Educação e justice versus violência e crime: educação e justiça como principais instrumentos de combate à violência e criminalidade. Porto Alegre: AGE, 2002. p. 92, 93.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Antonio Adolfo Mattos de Castro , Cristina Zukowisk Tavarez , Ana Maria Jora F Ferracioli Pôrto , Davisson Clemente Rezende, Leandro Teodoro da Silva , Lucilia Rocha Lopes

Downloads

Não há dados estatísticos.